Vacina BCG

O que previne:

Tuberculose — principalmente as formas graves, como meningite tuberculosa e tuberculose miliar (espalhada pelo corpo).

 

Do que é feita:

É composta pelo bacilo de Calmette-Guérin — origem do nome BCG — obtido pela atenuação (enfraquecimento) de uma das bactérias que causam a tuberculose. Completam sua composição o glutamato de sódio e a solução fisiológica (soro a 0,9%).

 

Indicação:

A vacina é indicada de rotina a partir do nascimento até os 5 anos de idade.

 

Outras recomendações:

Pessoas de qualquer idade que convivem com portadores de hanseníase (lepra); estrangeiros ainda não vacinados e que estejam de mudança para o Brasil.

 

Contraindicação:

Pessoas imunodeprimidas e recém-nascidos de mães que usaram medicamentos que possam causar imunodepressão do feto durante a gestação. Prematuros, até que atinjam 2 kg de peso.

 

Esquema de doses:

Dose única.

 

Local de aplicação:

Intradérmica.

 

Cuidados antes, durante e após a vacinação:

A vacinação não requer qualquer cuidado prévio. Após a aplicação é importante não colocar produtos, medicamentos ou curativos no local. Ocasionalmente, a vacina não deixa cicatriz, o que pode ocorrer por duas razões: a criança não respondeu à vacina devido à falha vacinal que acontece em cerca de 5% dos vacinados; houve resposta, mas com lesão discreta sob a pele, tornando difícil a identificação. Então, sempre que não houver formação de cicatriz, um profissional da Saúde experiente deve examinar o local em que a vacina foi aplicada. No caso de reação inaparente ou discreta, não há necessidade de revacinar. Quando acontece a falha vacinal, uma nova dose deve ser aplicada seis meses após a primeira — nunca antes desse prazo.

 

Efeitos e eventos adversos:

A BCG quase sempre deixa uma cicatriz característica, com até 1 cm de diâmetro, no local em que foi aplicada — como rotina, no braço direito. Essa reação é esperada! A resposta à vacina demora cerca de três 29 meses (12 semanas), podendo se prolongar por até seis meses (24 semanas), e começa com uma mancha vermelha elevada no local da aplicação, evolui para pequena úlcera, que produz secreção até que vai cicatrizando. Eventos adversos possíveis: úlceras com mais de 1 cm ou que demoram muito a cicatrizar; gânglios ou abscessos na pele e nas axilas; disseminação do bacilo da vacina pelo corpo, causando lesões em diferentes órgãos. Segundo o Ministério da Saúde (MS), os gânglios surgem em cerca de 10% dos vacinados. Qualquer que seja o evento, o serviço de vacinação deve notificá-lo ao órgão de vigilância em Saúde e encaminhar o paciente ao posto de saúde para acompanhamento e tratamento adequados.

 

Onde pode ser encontrada:

Nas Unidades Básicas de Saúde e clínicas privadas de vacinação.

 

Resultados da prevenção no Brasil e no mundo:

A vacina BCG não oferece eficácia de 100% na prevenção da tuberculose pulmonar, mas sua aplicação em massa permite a prevenção de formas graves da doença, como a meningite tuberculosa e a tuberculose miliar (forma disseminada). No Brasil, embora a incidência de tuberculose pulmonar venha aumentando, quase não são mais registradas as formas graves da doença. Outro exemplo da importância da vacinação foi o aumento do número de casos de tuberculose em crianças, registrado quando a Suécia suspendeu a vacinação de rotina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, nos países onde a tuberculose é frequente e a vacina integra o programa de vacinação infantil, previna-se mais de 40 mil casos anuais de meningite tuberculosa. Impacto como este depende de alta cobertura vacinal, razão pela qual é tão importante que toda criança receba a vacina BCG.